Os seis anos de atuação do IBRAPP: uma história de conquistas.

      IBRAPP-6-anos-gestão-pública-projetos-sociais-parceiro-do-poder-públicoHá seis anos era fundado o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas-IBRAPP, e sua inserção no cenário brasileiro no âmbito de levar políticas públicas àqueles menos favorecidos, deu-se de forma mais que oportuna, pois o país há muito tempo clama por programas e projetos que favoreçam uma articulação entre o setor público e a sociedade civil, pois é por meio dessa articulação que se pode obter o que se chama de inclusão social.

      Mas, como essa articulação é feita? De acordo com o diretor executivo do Instituto, Dr. Charles Mendes, as organizações como o IBRAPP, servem como tentáculos de apoio para que as políticas públicas possam atingir aquela parcela da sociedade onde elas se fazem mais precisas. De fato, o IBRAPP mesmo tendo apenas seis anos de atuação, já firmou-se como um grande parceiro dos órgãos públicos e já alcançou um nível de credibilidade que poucas organizações do Terceiro Setor possuem diante da sociedade.

      Exemplo disso são seus contratos que, capacitando profissionais da mais diversas áreas, estão em execução em muitos estados brasileiros como: Rondônia, Distrito Federal, Maranhão, Tocantins, Acre, Paraíba e Minas Gerais. Além disso, o IBRAPP vem se consolidando como parceiro do poder público na implantação de projetos que possam combater a vulnerabilidade social, como é o caso do projeto Inclusão Produtiva, que atua em Minas Gerais desde o ano de 2012, onde em parceria com o governo estadual tem proporcionado que pequenos empreendedores tenham espaço no mercado de trabalho, firmando-se, portanto, como mais um ponto de equilíbrio para que o índice de desemprego e pobreza no Brasil possa ser reduzido.

      ibrapp-politicas-publicasMas, o IBRAPP em sua missão de incrementar as políticas públicas em um país onde existem tantas desigualdades sociais, também preocupa-se em desenvolver atividades que possam contribuir na emancipação do jugo do preconceito daqueles considerados como minorias. Prova disso é a atuação do Instituto em ações sociais e projetos voltados para as comunidades quilombolas, ribeirinhas, crianças soropositivas e LGBT, que por meio do Instituto puderam ter acesso a seminários onde foram debatidas as políticas públicas de inclusão social desses segmentos junto aos órgãos competentes. Seguindo por esse mesmo viés, o programa Viva Mulher, que foi executado e gerenciado pelo IBRAPP entre os anos de 2011 e 2013, levou políticas públicas a muitas cidadãs pelo Maranhão afora contribuindo não só para que o índice de agressões e desigualdade contra a mulher fosse diminuído no Estado, como também incentivando na prevenção desse tipo de violência.

     Por fim, o IBRAPP é uma instituição comprometida com o meio ambiente e está sempre buscando novos métodos para a melhoria do mesmo. Exatamente por isso vem desenvolvendo projetos na área socioambiental, como é o caso do projeto Agentes do Verde que, implantado no município de Pinheiro-MA, tem capacitado muitos jovens e adolescentes como verdadeiros agentes ambientais.

      Mas, apesar de tantas atividades nesses seis anos de trabalho, o Instituto visa ampliar ainda mais sua área de atuação. Exatamente por isso mantém uma linha padrão de excelência na elaboração, gestão e execução de seus projetos e serviços. Isso fez do IBRAPP um grande parceiro dos órgãos públicos em muitos estados brasileiros, e  essa credibilidade também pode ser refletida em cada um dos colaboradores do IBRAPP, porque é por meio deles que todo esse progresso do Instituto perpassa. Assim, o IBRAPP juntamente com todos os seus colaboradores e parceiros só tem a festejar por esses seis anos de atuação.

 

A pertinência das assessorias de imprensa e comunicação para as organizações

     378-voce_tem_medo_de_falar_com_os_jornalistasO que de fato faz um assessor de comunicação ou imprensa dentro de uma instituição ou empresa? Qual a sua importância e responsabilidades?Antes de responder estas perguntas, cabe lembrar que assessoria de comunicação e assessoria de imprensa são duas coisas distintas, pois enquanto a primeira busca estratégias para melhorar a comunicação tanto interna quanto externa de uma empresa, a segunda empenha-se apenas em criar um vínculo com a mídia.

     Mas, o fato é que o profissional dessa área, que é um jornalista, ocupa um cargo estratégico do ponto de vista das relações que um determinado instituto como o IBRAPP, por exemplo, tem com os seus diferentes públicos. Ele facilita através de seus releases, notícias e entrevistas um contato direto desse público com o Instituto. É, portanto, a ponte por onde deve transitar todas as informações e ações da empresa que assessora, pois só assim terá real capacidade para não só alavancar a imagem e trabalho da mesma diante da sociedade, como também prestar esclarecimentos para a mídia que é a janela por onde todos veem o mundo.

     Mas, o assessor de comunicação e imprensa, sozinho não pode de maneira alguma executar esse serviço, pois precisa da colaboração dos funcionários da empresa para qual trabalha, pois estes são as suas principais fontes de informações. Por isso devem estar sempre atentos em mandar para o assessor toda e qualquer informação e ação que a empresa executou ou pensa em executar. Não podem jamais vê-lo como um espião em busca apenas de notícias factuais, mas sim como um colaborador que busca valorizar o trabalho de cada um desses funcionários. E o que é mais importante, a relevância da atuação da empresa no cenário político social.

     O IBRAPP, por exemplo, tem prestado um significativo trabalho de combate à vulnerabilidade social por meio da gestão de projetos sociais como o Agentes do Verde e o Inclusão Produtiva, mas que sem a ajuda da mídia, embora não se tornem obsoletos, não poderiam jamais ser compartilhados com a sociedade como um todo, por que como já foi dito, esta é a janela por onde todos  se debruçam para enxergar o mundo. Uma nota ou notícia jamais morre após a leitura, antes ela repercurte fazendo o que se chama de feedback. Ou seja, transmite conhecimento e requerendo atitudes. E esta é a intenção do IBRAPP ao se relacionar com a mídia; publicizar as políticas públicas e levá-las para onde as mesmas se fazem necessárias.

Projeto Inclusão Produtiva: uma teia de empreendimentos e empreendedores

            7859781c6c40d72273b27d8872c97077O Brasil, apesar de muitos avanços na área da economia, ainda é um país carente de políticas públicas voltadas para área do emprego e trabalho. Isso porque o desemprego e a falta de capacitação da mão de obra de trabalhadores continuam sendo os elementos que mais contribuem para que a economia brasileira tenha um crescimento tímido.

            Por conta disso grande parte das reivindicações da sociedade brasileira, propostas eleitorais e política de grande parte dos gestores públicos brasileiros, estão centradas não só na criação de novos empregos, como também em projetos que fomentem outras formas de economia.

          É nesse contexto que o Projeto Inclusão Produtiva, realizado pela Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social de Minas Gerais, e executado pelo Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP vemfomentando a economia solidária no Norte de Minas Gerais, Vale do Mucuri e Jequitinhonha e Região Metropolitana de Belo Horizonte por meio de assessoramento a empreendimentos coletivos, individuais e familiares. O Projeto, de acordo com Jefferson Abrantes, gerente administrativo do IBRAPP, funciona da seguinte forma: Uma equipe de técnicos designada Núcleo de Inclusão Produtiva – NIP, levanta por meio do CadÚnico  uma pesquisa de possíveis comunidades de empreendedores (artesãos, cozinheiros, manufatureiros, pecadores, comerciantes e etc) e logo em seguida ao visitar essas comunidades, esses técnicos aplicam questionários onde esses empreendedores são avaliados e por fim cadastrados para que possam ser assessorados pelo projeto. Entre as cadeias produtivas priorizadas pelo projeto destaca-se a reciclagem, confecção, alimentos, artesanato e o setor de serviços autônomos.

Projeto-inclusão-produtiva-IBRAPP-Minas-Gerais--economia-solidária-empreendedorismo               Todavia, essas fases do projeto Inclusão Produtiva, ainda de acordo com Jefferson Abrantes, precisam ser executadas obedecendo aos critérios do fomento da economia solidária. “O objetivo do Projeto Inclusão Produtiva é  sem sombra de dúvida gerar emprego e renda para pequenos produtores de Minas Gerais, mas quando nos focamos nisso, percebemos que o projeto acaba ampliando seu horizonte, pois ele se torna uma espécie de plataforma onde, pequenos empreendimentos e empreendedores unidos, impactam na economia do estado”, afirma.

            Atualmente, cerca de 67 cidades já foram visitadas pelos técnicos do IBRAPP, 25 núcleos de inclusão produtiva já foram implantados nas regiões do Norte de Minas Gerais, Vale do Mucuri e Jequitinhonha e Região Metropolitana de Belo Horizonte e 4.100 empreendimentos estão cadastrados no projeto. A estimativa, de acordo com o IBRAPP é que cerca de 200 empreendimentos desse total sejam selecionados para fazerem parte do projeto.

            Se essa iniciativa do Governo de Minas Gerais em combater o desemprego pode impactar na economia mineira, então é preciso que esse exemplo seja seguido por muitos outros estados, pois assim como o Projeto Inclusão Produtiva, pois assim como o Projeto Inclusão Produtiva promove a geração de renda o Brasil precisa de unicidade de ideais que fomentem a economia e combatam o desemprego