IBRAPP realiza campanha de sensibilização para o relacionamento com pessoas deficientes

DSCF2981A cadeirante Vimara de Moura Lobato (27 anos), moradora da cidade de Pedro do Rosário, foi beneficiada com a doação de uma cadeira de rodas nesta sexta-feira (22.08) pelo Instituto Brasileiro de Políticas Públicas –IBRAPP. A doação faz parte da campanha de sensibilização para questões de relacionamentos interpessoais com pessoas deficientes, promovida pelo Instituto.

     De acordo com a assessoria de imprensa e comunicação do IBRAPP, gestos como esse ajudam a impactar a ideia que o empresariado precisa cultivar não apenas a caridade entre seus colaboradores como também incentivá-los a encarar pessoas que são deficientes como indivíduos portadores de necessidades especiais e que por isso mesmo precisam ser tratadas com respeito e dignidade.

     Durante o ato de entrega da doação da cadeira de rodas, a mãe da Valmira, D. Joana Moura Lobato (46) em entrevista a imprensa local, chamou a atenção para o fato da solidariedade está infelizmente cada vez menos constante no coração das pessoas.

    “Minha filha, está com 27 anos, e contraiu paralisia na infância, e como somos muito humildes nunca pudemos dá a ela uma cadeira de rodas, embora sempre tenhamos implorado por uma doação assim. Hoje estou muito feliz porque minha filha já não mais viverá confinada na cama, e isso graças a um ato de solidariedade esperado por muitos anos,” afirma.

     Ainda durante a doação, Luis Felipe Mendes, gerente financeiro do IBRAPP destacou que iniciativas como essa precisam ser seguidas porque podem colaborar para diminuir os desafios pelos quais uma pessoa deficiente passa.

    DSCF2987  “Embora o IBRAPP não seja uma Organização exclusivamente filantrópica, entendemos que precisamos realizar certas ações que contribuam para diminuir a exclusão social. Exatamente por isso estamos sempre focados em realizar ações sociais para servirem de exemplo a ser seguido pela sociedade, disseminando assim uma cultura de generosidade”, afirma.

Brasil: o país das ONG’S

      10563201_428129407324931_8339169527782051557_nDe acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, já havia mais de 290 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos no país. Esses dados demonstram que o Brasil é um dos países de maior número de associações sem fins lucrativos. Mas, por qual motivo o Brasil ocupa esse ranking? Um dos motivos, segundo o IBRAPP, é que vivemos em um país carente de políticas públicas e justamente por isso existem oportunidades que o poder público nem sempre consegue preencher, e por conta disso faz-se necessário a existência de parcerias que auxilie o setor público na prestação desses serviços.

      Todavia, a criação de uma instituição sem fins lucrativos e, sobretudo, sua atuação, precisa de marcos regulatórios onde não apenas  a corrupção possa ser coibida, mas também a qualidade do serviço prestado por elas pode ser avaliado. Foi com essa intenção que a Presidenta Dilma Roussef sancionou no dia 31 de julho o novo marco regulatório para ONG’s. A principal mudança do projeto de lei aprovado está na criação de dois tipos de contrato entre governo e organizações da sociedade civil: “termo de colaboração” e “termo de fomento”. Os gestores públicos serão obrigados a realizar um “chamamento público”, uma espécie de edital de concorrência entre ONG’s.

      Vale ressaltar também que esse novo marco regulatório pode também exercer forte vigilância nos repasses de verba publica com essas parcerias, pois os projetos desenvolvidos por ONG’s em parceria com o poder público, deverão ser publicados anualmente..

      Para se ter uma ideia dos repasses do governo federal com essas parcerias, um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em novembro 2013, mostrou que foram transferidos, entre 2003 e 2011, pela União, aproximadamente R$ 29 bilhões a 10 mil entidades sem fins lucrativos (ESFLs). Isso representa 15% do total das transferências feitas pelo governo federal no período. O recorde foi em 2005 – R$ 6,2 bilhões em repasses. Cerca de 36 mil convênios foram analisados.

      Essa é sem dúvida uma vultosa quantia e por isso mesmo precisa ter transparência em suas transações não só por parte do poder público, mas também das instituições parceiras. O IBRAPP, instituição que mantém parceria com o poder público, elogia o novo marco regulatório para ONG’S porque acredita que o projeto de lei servirá para fazer distinção entre entidades honestas e corruptas, pois a atuação das mesmas como parceiras do poder público será avaliada por um rigoroso sistema de fiscalização.

      De acordo com Rita Salgado, presidenta do IBRAPP, o novo marco regulatório para ONG’s é um grande passo para a democratização de contratos entre governo e associações sem fins lucrativos. “É preciso entender acima de tudo, que a sanção deste projeto de lei, foi o reconhecimento que nos últimos anos, essas organizações têm sido fundamentais para que políticas públicas cheguem à população. E para que esse trabalho continue foi preciso que um rigoroso critério de contratação fosse criado onde não só a experiência da instituição fosse levada em conta como também todo o seu histórico como parceira do poder público”, afirma.

O IBRAPP participa do “Abraço do aleitamento materno” em Tocantins

 

      IBRAPP--aleitamento-materno-campanha-de-aleitamento-materno--maternidades--tocantinsEm adesão a campanha nacional de aleitamento materno, colaboradores do IBRAPP em Tocantins participaram do evento “Abraço do Aleitamento Materno”. O evento que aconteceu no dia 07 de agosto e reuniu cerca de 500 pessoas entre profissionais da saúde, gestantes e até crianças, mobilizou a cidade de Palmas para dar um grande abraço na maternidade Dona Regina, uma das principais instituições públicas de amparo a parturientes, gestantes e recém-nascidos do estado do Tocantins.

         WP_20140807_004A ideia, de acordo com Erick Veiga, analista de licitação do IBRAPP, foi demonstrar com esse abraço simbólico a importância do   aleitamento materno para os primeiros meses de vida de uma pessoa recém-nascida. Além disso, ainda de acordo com Erick Veiga, esse ato também serviu para destacar que maternidades são instituições fundamentais na rede pública da saúde e por isso mesmo precisam ser “abraçadas” pelos órgãos competentes. “O aleitamento materno é algo imprescindível na vida de todo e qualquer recém-nascido porque sabemos que é por meio disso que o bebê recebe verdadeiras vacinas naturais, daí a importância desta campanha. Contudo, é preciso destacar que as maternidades precisam está muito bem estruturadas e com capacidade técnica para garantir um atendimento de boa qualidade as parturientes, gestantes e recém-nascidos, e uma das formas de se atingir isso é desenvolver políticas públicas que possam abraçar essas maternidades”, afirma.

       IBRAPP--Aleitamento-materno--maternidades-publicas--semana-de-aleitamento-materno-campanhaO IBRAPP que já participou de inúmeras campanhas de sensibilização como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, ao fazer adesão também a campanha do aleitamento materno demonstra seu compromisso não só com a saúde pública, como também acredita que a instrução ainda é uma das melhores formas de combate a inúmeras doenças e agravantes.