Criminosos armam golpes pelo whatsapp

IMG-20151019-WA0073

Um dos suspeitos reconhecido por uma das vítimas por meio do facebook.

É inegável que o avanço das tecnologias em comunicação têm servido para facilitar muitos processos como envio de mensagens em massa, para públicos específicos ou até mesmo a ideia de virilização de marcas, pautas, opiniões e assuntos diversos que, em questões de segundos podem mobilizar a opinião pública. Exemplo disso é o aplicativo whatsapp. Atualmente bilhões de pessoas utilizam esse mensageiro, haja vista a facilidade de comunicar-se com muitas pessoas a um baixo custo via celular.

enviodewhatsapp06De fato, atualmente não apenas pessoas físicas fazem uso do aplicativo, mas também jurídicas, pois muitas empresas têm adotado o whatsapp como uma ferramenta de trabalho, sobretudo, àquelas que investem em Comunicação como um meio de negócio. Todavia, se por um lado essas tecnologias possibilitam uma melhoria na comunicação, elas também podem representar um risco para os desatentos, pois assim como o aplicativo pode ser usado como ferramenta de negócio em comunicação, ela também pode ser usada por criminosos para armarem ou aplicarem golpes, ou até mesmo arquitetarem crimes.

Em São Luís, por exemplo, recentemente, um sujeito que se autointitula Ricardo Silva, pelos grupos de whtasapp vem aplicando golpes em usuários ao se dizer interessado em amizades e relacionamentos casuais com gays. Após denuncia de pessoas que já foram vítimas do suspeito, Ricardo Silva costuma adicionar usuários do whtasapp, sobretudo o público gay, afirmando que quer conhecer novas pessoas e ter novas experiências o que de acordo com as vítimas acaba gerando persuasão em marcar encontro com o mesmo. De acordo com B.A. (22), que recentemente foi vítima de Ricardo Silva, o criminoso teria marcado um encontro com ele nas imediações da estrada do Bom Jardim/Turu, onde por volta das 20h, Ricardo Silva compareceu em uma moto,e após uma breve conversa com B.A., o teria guiado na moto para uma esquina onde anunciou o assalto, levando celular e carteira/porta cédula da vítima.

assalto-m_o-armadaJá a travesti Luana (25), alega ter sido vítima desse mesmo criminoso, nas mesmas circunstâncias e após tê-lo conhecido via whatsapp. Outras vítimas que não quiseram ser identificadas alegam que Ricardo Silva não age sozinho durante essas operações criminosas, pois muitos afirmam que durante o encontro ele ou comparece com comparsas ou simplesmente arma e simula um assalto para melhor enganar suas vítimas.

O fato é que em sua ultima tentativa de armar essa ação criminosa, Ricardo Silva não contava que já estava visado em alguns grupos onde estava sendo já denunciado pelas suas vítimas, onde uma delas conseguiu salvar uma de suas fotos.

Vale lembrar que este criminoso ainda não foi preso, portanto, fiquem atentos para não só cair nesta armadilha arquitetada via whatsapp, mas também denunciar este criminoso.